31 de jul de 2009

Tempos estranhos.

José sai do trabalho com uma vontade danada de tomar uma cervejinha, lá no barzinho de sempre, perto de casa. Mesmo com frio. Estava a lhe apetecer, como diz o João. -Espero não encontrar o Adão. Aquele cara sempre me pede dinheiro emprestado quando me encontra. Pior é que aquela desgraça nunca paga! Entra no bar. Pede uma loirinha gelada. Olha para o fundo do bar. _Que porra,meu! Lá está o Adão. Espero que ele não me veja. Viu... ele me viu... aí...que faço eu? Está vindo para cá. Agora... seja o que Deus quiser! _José, meu amigo e camarada! (tosse, espirro, gemido) Puxa, home de Deus, tô com umas dores no corpo, uma febre... (tosse, espirro,gemido) Acho que vou para casa descansar. (mais tosse, espirros, gemidos). Mas antes quero te pagar. (tira do bolso alguns reais, começa a contar lentamente, manuseando cada nota - mais tosse,espirros,gemidos).. -Adão, não posso esperar. Preciso ir embora. Tchau. Não me deves nada. Estás perdoado! José sai correndo, cobrindo o rosto, esfregando as mãos.... O que pode o medo do agaumeneum fazer com as criaturas??

Nenhum comentário: