1 de out de 2009

Ilumina-me - de Pedro Abrunhosa -

Gosto de ti como quem gosta do sábado Gosto de ti como quem abraça o fogo Gosto de ti como quem vence o espaço Como quem abre o regaço Como quem salta o vazio Um barco aporta no rio Um homem morre no esforço Sete colinas no dorso E uma cidade p'ra mim Gosto de ti como quem mata o degredo Gosto de ti como quem finta o futuro Gosto de ti como quem diz não ter medo Como quem mente em segredo Como quem baila na estrada Vestido feito de nada As mãos fartas do corpo Um beijo louco no Porto E uma cidade p'ra ti Enquanto não há amanhã Ilumina-me Ilumina-me Enquanto não há amanhã Ilumina-me Ilumina-me Gosto de ti como uma estrela no dia Gosto de ti quando uma nuvem começa Gosto de ti quando o teu corpo pedia Quando nas mãos me ardia Como o silêncio na guerra Beijos de luz e de terra E num passado imperfeito Um fogo farto no peito E o mundo longe de nós Enquanto não há amanhã Ilumina-me Ilumina-me Enquanto não há amanhã Ilumina-me Ilumina-me

Nenhum comentário: